COLD CASE – THE LAST DRIVE-IN (7X18)

Diferente, mas excelente episódio de Cold Case, The Last Drive-in, episódio 18º dessa 7ª temporada. Na verdade ele é a primeira parte de uma história, que deverá ser concluída no próximo episódio, “Bullet”. Aliás a série tem feito bons episódios nessa sua possível reta final definitiva, uma vez que todos dizem que será cancelada ao fim dessa temporada. The Last Drive-In trouxe um serial killer para os policiais da Filadélfia descobrirem sua identidade e o pegarem, antes que ele volte a matar mais alguém. O primeiro caso foi em 1980, o último em 2009. Detalhe: 27 anos de silencio até o assassinato de 2009. Por que? Só vendo Cold Case para saber.

Quem trás esse caso aos detetives da cidade da Filadélfia, é Diane Yates, uma agente do FBI e amiga pessoal de John. E Suzanna Thompson estava ótima no papel de Diane, zero em carisma, extremamente arrogante e metida e nojenta a ponto de soltar comentários sórdidos como um que ela dirige a Kat, mandando-a colher depoimentos de um homem, porque ambos são da mesma cor. Ou seja, se a intenção era odiarmos Diane, ao menos comigo funcionou. Ela é inteligente, impressionou Lilly Hush em certos momentos da investigação, mas como pessoa, seja defesa dela ou fachada, é intragável.

Diane Yates chega a corporação querendo informações de um caso arquivado em 2009, um homem que passeava no parque com seu cachorro e foi morto com um tiro no peito. E começam as ligações no episódio, a cena inicial foi a morte de uma rapaz em 1980, num cinema, também com um tiro no peito, de um rife. A agente do FBI revela que houveram mais mortes, um motorista de ônibus, uma secretária pelo que entendi de uma agencia de cobrança e um homem que honestamente não me lembro a profissão dele. E então os detetives começam a procurar as ligações entre elas. Entender porque a última morte foi há 27 anos atrás e agora em 2009 o mesmo crime voltou a acontecer e rastreá-lo para pegar tal atirador, antes que ele faça mais uma vítima.

O episódio foi muito bom, bem tenso por sinal. Por se tratar de um franco atirador, confesso que ficava a cada instante com medo que algum dos nossos detetives levasse um tiro. Alem disso surgiu uma trama pessoal para o chefe de Lilly, John, ao descobrimos que Yates foi um antigo caso dele, e pivô da sua separação. O detetive Vera aparece, numa visita que Scotty fez a ele, e ele está numa clinica de recuperação. E foi bom terem mostrado ele, feito uma cena porque fica a torcida pela sua recuperação, embora ele se culpe ainda pelo que nos foi contado no episódio anterior. Eu acho válido a série abrir espaço para dramas pessoais dos personagens, uma vez que se for cancelada, é bom termos visto algo da vida deles e como será o final para cada um. E esse do detetive Vera é muito interessante, pois da margem aos erros, a um julgamento errado e as conseqüências disso, e vejam, Vera é um cara legal, um policial honesto, e nem esses policiais estão livres dos erros.

Uma coisa do episódio, foi o foco e presença de Yates o episódio todo. Lilly por sorte, consegue se destacar nas cenas finais, sendo mais astuta que Yates, mas o episódio pareceu todo centrado na história pessoal de Yates, o que me soou desnecessário, pois ninguém está interessado nessa mulher, queremos mais é saber de Scotty, Vera, Lilly, Kat, aliás senti falta de Will nesse episódio. Porém há uma questão, foram atrás de pessoas que pudessem dar mais detalhes sobre o crime, mas não foram atrás da namorada do rapaz morto no cinema, o que me leve a crer que talvez seja Yates a tal namorada. Pois quando o FBI aparece no episódio, descobrimos que esse caso não era de Yates, ela foi por conta própria, ela leva uma bronca, mas não nos é dito ainda, o motivo desse caso ser tão pessoal para ela.

Uma coisa que me desanimou foi quando Yates pergunta a Lilly se ela está namorando e Lilly diz que não mais. Ou seja, pelo visto Bobby Cannavale ou melhor Eddie Sarcado não volta mais. Espero que ele volte para terminar a série ao lado de Lilly, mas pelo que vi, coisas aconteceram. Não sei muito não, porque não leio spoilers, mas o pouco que vi já me deu umas informações.

Bom, episódio, estou curioso pela continuação, e lendo na internet descobri que a season finale de Cold Case, ou series finale, não sabemos ainda o destino da série, será no dia 2 de maio, com um episódio de 2h de duração, na verdade serão os episódios 21 e 22. Esse episódio é do dia 28 de março, e o os episódios 19 e 20 respectivamente dos dias 4 e 11 de abril, então, sendo assim duas semanas sem episódios inéditos de Cold Case e daí vem a season finale. The Last Drive-In não teve música no final, aliás foram poucas músicas no episódio e de pouco destaque, por isso, este foi um episódio bem diferente, pois música em Cold Case é sempre mais um personagem. O final foi mais uma vitima na coleção do atirador e Lilly e Yates descobrem o esconderijo do mesmo, no qual encontram um cadáver com umas “medalhas” com o possível nome da vítima, o nome do pai do atirador. Mais uma coisa, o assassino é o ator Jon Gries, lembrei dele porque ele fazia The Pretender, a série do Jarod.

Explore posts in the same categories: Cold Case

Tags: , , , , , , , , , ,

You can comment below, or link to this permanent URL from your own site.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: